HD, Full HD, 4K e agora 8K em menos de 20 anos?

Questões relacionadas com leitores de DVD/BR de mesa, desbloqueio de regiões, receptores A/V, televisores, colunas e outro equipamento de home theater.
Responder
technicolor
Fanático
Fanático
Mensagens: 525
Registado: março 2, 2016, 9:00 pm
Localização: Pinhal Novo

Re: HD, Full HD, 4K e agora 8K em menos de 20 anos?

Mensagem por technicolor » setembro 22, 2019, 11:55 am

rui sousa Escreveu:
setembro 22, 2019, 11:10 am
É um restauro que vai muito na onda do que a Cinemateca de Bolonha faz: um filtrozinho amarelo para dar um ar vintage e está feito.
Não é meu habito entrar em polémica sobre assuntos que não domino totalmente, mas, ó Rui, sinceramente esta tua afirmação parece-me no mínimo bastante "redutora" e sobretudo profundamente injusta relativamente à qualidade do trabalho da Cinemateca de Bolonha que é uma instituição pioneira na área do restauro de filmes, prestigiada em todo o mundo, e com um trabalho merecedor do respeito dos cinéfilos (e realizadores) que vai muito mais além disso que escreves...

Última edição por technicolor em setembro 22, 2019, 8:30 pm, editado 1 vez no total.

paupau
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Mensagens: 3441
Registado: janeiro 7, 2005, 6:13 pm

Re: HD, Full HD, 4K e agora 8K em menos de 20 anos?

Mensagem por paupau » setembro 22, 2019, 5:32 pm

Provavelmente ninguem sabera ao certo em que ponto do processo as coisas falham, mas reconhece-se imediatamente um restauro Bolonha ou Eclair: amarelo para o primeiro e azul para o segundo.

Enviado do meu SM-A510F através do Tapatalk

CC - 174 MoC - 73 BFI - 21

rui sousa
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Mensagens: 4129
Registado: setembro 6, 2008, 12:05 pm
Localização: Lisboa
Contacto:

Re: HD, Full HD, 4K e agora 8K em menos de 20 anos?

Mensagem por rui sousa » setembro 28, 2019, 1:45 am

Não estou a dizer mal de Bolonha mas do processo que tomam em vários filmes e que já lhes deu má fama. Tanto o The Good, The Bad and The Ugly como o Profondo Rosso como outros filmes foram alterados drasticamente... Pelo que sei, a Arrow conseguiu desfazer o estrago para a sua edição em bluray, mas o filme do Leone, por mais que a Lino alterasse, não conseguiu mudar grande coisa.

http://www.dvdbeaver.com/film/DVDCompar ... _ugly_.htm

O restauro do Once Upon a Time In America é outro exemplo. Alteraram drasticamente a fotografia do filme para uma amarelice desmesurada... Eu vi uma cópia do filme da época da sua circulação original (na cinemateca) e o DVD e bluray anteriores estão mais próximos do look original do que esse suposto "director's cut" que anda por aí e tornou a distribuição do filme num caos absoluto.

technicolor
Fanático
Fanático
Mensagens: 525
Registado: março 2, 2016, 9:00 pm
Localização: Pinhal Novo

Re: HD, Full HD, 4K e agora 8K em menos de 20 anos?

Mensagem por technicolor » setembro 28, 2019, 5:01 pm

Volto a referir que sou apenas um "curioso" nesta matéria e peço antecipadamente desculpa por algum erro no texto que se segue .

Considerando que o processo de restauro de um filme antigo é algo que pode ser bastante complexo de gerir com imensas variáveis ao longo da sua duração e que na sua globalidade só poderá ser avaliado na base do gosto pessoal de cada um de nós, é sem dúvida muito mais do que correcção /reposição da cor original (mas afinal qual será a cor original : a que terá sido registada pelo director de fotografia durante a rodagem, a que foi processada pelos laboratórios de revelação do filme, a que foi produto do "etalonamento" leia-se (etalonagem) na fase de pós produção, (não o processo digital mas o que se fazia em laboratório com recurso a filtros de gel colorido e contratipagem óptica sequência a sequência ou plano a plano.)
https://www.uv.es/uvweb/master-contenid ... 5952549547
https://www.commentfaireunfilm.com/etal ... pour-quoi/
...a que ficou registada na produção de cópias para distribuição (no caso dos série B feitas em material mais barato e com perca de qualidade), ou mesmo a que temos de memória de uma vizualização antiga de uma dessas cópias em película mas que com o tempo terá sofrido um inevitável efeito de fading na cor pela sua exposição intensiva a fontes de luz de alta intensidade?
https://unwritten-record.blogs.archives ... imes-pink/
Descarto obviamente nesta última a qualidade do equipamento de projecção ( tipo de projector, tempo de vida da lampada, qualidade da tela,etc. considerando isso pouco relevante)

Eu não sei responder à pergunta acima mas, regressando ao tema da qualidade dos restauros, nomeadamente no que refere à cor. Pessoalmente vejo o restauro de alguns filmes, com todos os defeitos que lhe possamos atribuir, como que quase um verdadeiro "milagre" tecnológico mas também produto de um conjunto de tomadas de decisão dos responsáveis pelo trabalho mediante o tipo de materiais disponíveis para esse mesmo trabalho de restauro, que podem variar de uma cópia feita a partir de filme technicolor (o melhor no sentido que sofre pouco fading) e conservada no cofre de uma grande produtora ou na Library of Congress até a um internegativo cheio de pó e riscos encontrado algures num obscuro armazém por mero acaso ou mesmo umas quantas cópias de exibição provenientes de diversas partes do mundo muito corroídas pelas reacções químicas provocadas por má conservação e até por vezes amputadas pela(s) censura(s)

Mas o meu caso de referência nesta delicada matéria da cor (e das dominantes cromáticas) e restauro é sem dúvida o do Dersu Uzala do mestre Kurosawa: Vi-o no aquando da sua estreia (em película) e ficou-me na memória uma impressão maravilhosa das cores registadas na taiga siberiana. Tentei recuperar essa emoção mas as edições em DVD (incluindo a da Criterion) não ma devolveram (nem mesmo num sistema Oppo ligado a um display Bang & Olufsen de um amigo mais bem equipado) e ansiei muito por um restauro para standard Blu-Ray que só chegaria às minhas mãos em 2017 via itália (depois de muita especulação sobre se seria possível restaura-lo e quem o deveria fazer, se a Mosfilm (apoiada tecnicamente por Bologna) ou a mítica Criterion. Confesso que fiquei um bocadinho desiludido com o que visualizei no meu sistema de entrada de gama (Sony) e até admito que se um dia tiver oportunidade de o rever num OLED ou QLED com Dolby Vision a coisa me poderá parecer bem diferente (melhor ou pior) mas mesmo assim a versão restaurada está incomparavelmente melhor do que as medíocres versões DVD quer da RUSCICO quer da conceituada Criterion
https://www.google.com/search?q=dersu+u ... e&ie=UTF-8

Concretamente e dos trabalhos feitos pela Cineteca de Bologna o que me agradou menos terá sido sem duvida o do Il Gattopardo do Visconti (que nunca vi em sala) mas... compreendo a dificuldade que tiveram e aprecio o resultado na sua globalidade embora reconheça que possa não ser perfeito.

Incluo uma explicação possível (mais detalhada) para as indesejadas dominantes cromáticas (tintagens)
Como disse, pouco nada percebo de restauro de filme, mas (e isto é bocado ridículo) trabalhei em publicidade vários anos e assisti muitas vezes à "tortura" a que os técnicos de tratamento de imagens eram sujeitos pelos clientes para modificarem as cores dos produtos organicos nos folhetos de supermercados; carnes, verduras, cereais, chocolate; é uma tarefa muito dificíl obter um resultado que agrade a todos quando se está lidar com cores (cores ideais e não as reais, registadas pela fotografia) e então quando era necessário compor imagens com elementos de diversas proveniências (com tonalidades e luminosidades diferentes) obter um conjunto homogêneo tornava-se num verdadeiro pesadelo. Mal comparado, penso que também quando se tenta conseguir um resultado de cor harmonioso num filme composto por fragmentos em condições muito diversas nomeadamente ao nivel de cor (tonalidade, saturação e brilho) imagino que seja muito complicado (não se pode mandar para exibição/comercialização uma peça fílmica com uma colagem de sequêencias de parâmetros de cor muito diferentes, é esse o papel da "etalonage" e sem referências fiáveis (slides feitos nos sets de rodagem) é uma tarefa dificílima e daí talvez o recurso a uma cor dominante (quente ou fria/ azul ou amarelo) para conseguir esse resultado. O ideal era de que fosse efectuado de forma localizada para que em cenas com céu (azul), rostos (rosa carne) e roupas ou adereços multicoloridos não houvesse contaminação das cores opostas ; quando se usa uma tonalidade amarela no(s) frame(s) com rostos e céu o que acontece é que se o amarelo no rosto nem incomoda muito, no céu já o tornará esverdeado por exemplo... Concluindo, para se restaurar um filme com metragens de 6000 a 8000 m de película demoram-se anos, com custos elevados, prazos a cumprir e se vai fazer uma abordagem minuciosa da etalonage frame a frame, elemento a elemento, oh my god, nunca mais teria fim... mas já no futuro com a evolução tecnológica e a partir deste registos digitais de 4/8K será possível melhorar sem ter que começar do zero e logo, a custos mais realistas.
Pela minha parte presto pois uma homenagem ao trabalho dessa gente que se dedica com paixão ao restauro de cinema antigo.

Nota de rodapé:
Relativamente ao final cut do Apocalipse Now estou agora extremamente curioso sobre o que vai ser exibido em Outubro no CCB.
Última edição por technicolor em setembro 30, 2019, 8:58 am, editado 2 vezes no total.

rui sousa
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Mensagens: 4129
Registado: setembro 6, 2008, 12:05 pm
Localização: Lisboa
Contacto:

Re: HD, Full HD, 4K e agora 8K em menos de 20 anos?

Mensagem por rui sousa » setembro 29, 2019, 11:30 am

Os restauros são sempre fundamentais, mas não é muito difícil não distorcer completamente a fotografia de um filme... basta não colocar apenas aquele filtrozinho, que no caso do TGTBTU não estava lá (vi esse restauro na Festa do Cinema Italiano e fiquei abismado com a quantidade de coisas que ficavam quase invisíveis por causa daquele amarelo).

Outro caso curioso é o do filme A Árvore dos Tamancos, uma das raras ocasiões em que uma edição Criterion não é o melhor tratamento (a Criterion tem a mania de colocar um filtrozinho azul...).

http://www.dvdbeaver.com/film6/blu-ray_ ... lu-ray.htm

paupau
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Mensagens: 3441
Registado: janeiro 7, 2005, 6:13 pm

Re: HD, Full HD, 4K e agora 8K em menos de 20 anos?

Mensagem por paupau » setembro 29, 2019, 4:45 pm

O filtrozinho azul e tendencia do laboratorio Eclair...

Enviado do meu SM-A510F através do Tapatalk

CC - 174 MoC - 73 BFI - 21

Helder Fialho
Entusiasta
Entusiasta
Mensagens: 165
Registado: outubro 15, 2017, 2:10 am
Localização: Évora

Re: HD, Full HD, 4K e agora 8K em menos de 20 anos?

Mensagem por Helder Fialho » setembro 29, 2019, 10:17 pm

rui sousa Escreveu:
setembro 29, 2019, 11:30 am

Outro caso curioso é o do filme A Árvore dos Tamancos, uma das raras ocasiões em que uma edição Criterion não é o melhor tratamento (a Criterion tem a mania de colocar um filtrozinho azul...).

http://www.dvdbeaver.com/film6/blu-ray_ ... lu-ray.htm


Esse filtro azul (às vezes um azul esverdeado) foi precisamente o mesmo que o L'Immagine Ritrovata colocou no restauro recente que fizeram ao La Religieuse do Rivette. Aparentemente, já têm "cadastro" de estragos anteriores em restauros.

http://www.dvdbeaver.com/film/DVDReview ... lu-ray.htm



Cito um user:

Ritrovata are a company that consistently perform restorations for great films then aggressively regrade the colour scheme in yellow and teal tones. Every movie they "restore" ends up with more or less the same colour scheme regardless of who directed it, shot it and when it was made. Needless to say this is a serious issue considering they're botching the process of preserving each film as it's meant to look, and instead seem to be intentionally revising the appearance to look the same as one another, effectively creating a ritrovata brand instead of caring for artistic preservation.

In short, they're doing extremely bad work on great films and making decisions not based on love of movies, but a love of their own company above all else and a desire to create an instantly recognisable "ritrovata look". Poor form, as always.

Responder