Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Discussão de filmes; a arte pela arte.

Moderator: waltsouza

User avatar
NFCDS
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Posts: 2213
Joined: Fri Oct 28, 2005 11:09 am
Location: Na melhor Margem do Tejo

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by NFCDS » Mon Aug 21, 2017 12:59 pm

Como fã do Hans Zimmer, não posso deixar de dizer que achei fenomenal esta BSO. Está presente desde o 1.º minuto do filme até ao fechar do livro/jornal no final do filme. Impressionante!
Toda a banda sonora disponível na WaterTower Music.

Uma explicação sobre o ritmo da música:

mansildv
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Posts: 4174
Joined: Tue Feb 25, 2014 6:30 pm

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by mansildv » Mon Sep 11, 2017 10:32 am

Christopher Nolan on ‘Dunkirk’: There Was No Green Screen

http://variety.com/2017/film/news/chris ... 202553547/

https://pmcvariety.files.wordpress.com/2017/07/christopher-nolan.jpg?w=670&h=377&crop=1

:shock:

mansildv
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Posts: 4174
Joined: Tue Feb 25, 2014 6:30 pm

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by mansildv » Fri Sep 15, 2017 9:23 am

‘Dunkirk’ Surges Past $500 Million Target at Global Box Office

http://www.thewrap.com/dunkirk-surges-p ... ox-office/

https://www.thewrap.com/wp-content/uploads/2017/07/Dunkirk-1.jpg

The Oscar contender continues Christopher Nolan’s streak of box office successes, and is just $5 million away from topping “Interstellar”

mansildv
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Posts: 4174
Joined: Tue Feb 25, 2014 6:30 pm

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by mansildv » Fri Nov 17, 2017 9:21 am

‘Dunkirk’ Wants to Be the Oscar Frontrunner, Sets Awards Season Re-Release in IMAX and 70mm Theaters

http://www.indiewire.com/2017/11/dunkir ... 201898148/

http://www.indiewire.com/wp-content/uploads/2017/11/la-ca-mn-sneaks-dunkirk-fionn-whitehead-20170421-1.jpg?w=780

"Christopher Nolan's critically acclaimed WWII drama is taking Oscar season by storm with a major theatrical re-release."

Samwise
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Posts: 3866
Joined: Thu Feb 19, 2009 9:07 pm
Contact:

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by Samwise » Fri Nov 17, 2017 2:50 pm

Ainda não vi o filme como deve ser (nas melhores condições de imagem e som), mas do que vi fico intrigado - é um projecto estranho do Nolan, que parece ter tido uma série de ideias interessantes a pôr em prática e que a colagem de tudo resultou em disfuncionalidade, indefinição e ambiguidade.

Depois de um Interstellar que puxava diversas vezes às emoções, e que as encaixava quase a martelo na própria narrativa, este filme é frio e afastado, mesmo quando há emoções para filmar com a câmara quase em cima (a situação do náufrago e aquilo que se passa dentro da embarcação que lhe dá abrigo).

Tecnicamente parece-me muito certinho e rigoroso (os dogfights estão muito realistas face às imagens de arquivo que se conhece), mas a ideia de dividir a narrativa em três espaços de continuidade diferentes não traz abolutamente nenhum efeito prático concreto. Estes espaços de continuidade, com o tempo a ser representado em diferentes velocidades, foram utilizados noutros filmes do Nolan, em contextos que faziam a diferença em termos narrativos. Neste filme dão em nada. Nem sequer contribuem para construir o suspense - a matéria que me parece a central no interesse do Nolan.

O filme parece-me uma colagem de sequências in-extremis. Momentos em que a tensão se vai acumulando e em que o climax dita que a personagem escapa mesmo à risca de uma morte certa. São vários momentos destes ao longo do filme, e o filme dá mais importância a isso do que propriamente à operação de resgate dos soldados presos na praia.

Finalmente, num filme tão frio e técnico, quase documental e sem heróis, não percebo os últimos 10 minutos, em que há uma situação Deux-Ex Machina porcamente inserida na narrativa (que se estava mesmo a ver que ia acontecer), e um discurso heróico por parte do Churchill em voz-off.

Não é carne nem peixe. Não sei bem o que achar deste filme, mas não me seduziu à primeira tentativa. Tenho de ver em melhores condições.
«The most interesting characters are the ones who lie to themselves.» - Paul Schrader, acerca de Travis Bickle.

«One is starved for Technicolor up there.» - Conductor 71 in A Matter of Life and Death

Câmara Subjectiva

User avatar
Rui Santos
Site Admin
Posts: 5219
Joined: Mon Jun 04, 2001 11:42 pm
Location: Portugal - Lisboa / MAC
Contact:

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by Rui Santos » Fri Nov 17, 2017 6:12 pm

Tenho pensado no filme, e voltei aqui hoje para ler o que escrevi, e o que outros de vós tinham escrito.
Passou-me algum do entusiasmo que me levou a gostar tanto do filme, e estive a pensar um pouco no mesmo... e parece que lhe faltam atores com carisma... Há ali alguma falta de sal.
Nem é um problema técnico, pois o filme é bem filmado. Mas há ali algo que não faz com que se dê um click. Não tenho saudades nenhumas de o ver, nem saudades dos personagens.

Provavelmente irei comprar o mesmo, mas irá para a prateleira de revisão para daqui a 10 anos...
Rui Santos - 47 Anos | 16 Anos DVDMania
DVD/BR | Jogos | Life is Short, Play More | Facebook DVDMania

paupau
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Posts: 3235
Joined: Fri Jan 07, 2005 6:13 pm

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by paupau » Fri Nov 17, 2017 6:32 pm

Mais uma vez alinho pela bitola do Samwise, faltou aquele golpe de asa para se elevar a sério. Sinceramente ha muito que ja nao pensava no filme, age fiquei admirado com o relancamento a pensar nos oscares.
Os saltos temporais assim so com uma visualizacao impedem de conseguir descrever o que acontece no filme, fiquei so com umas impressoes gerais. O filme nao e mais memoravel por ai.

Enviado do meu SM-A510F através de Tapatalk

CC - 174 MoC - 73 BFI - 21

Ludovico
Fanático
Fanático
Posts: 829
Joined: Wed Jun 13, 2007 4:38 pm
Location: Porto

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by Ludovico » Sat Nov 18, 2017 1:53 pm

paupau wrote:
Fri Nov 17, 2017 6:32 pm
Mais uma vez alinho pela bitola do Samwise, faltou aquele golpe de asa para se elevar a sério. Sinceramente ha muito que ja nao pensava no filme, age fiquei admirado com o relancamento a pensar nos oscares.
Os saltos temporais assim so com uma visualizacao impedem de conseguir descrever o que acontece no filme, fiquei so com umas impressoes gerais. O filme nao e mais memoravel por ai.

Enviado do meu SM-A510F através de Tapatalk
X3,é caso para dizer.
Fui vê-lo ao cinema no verão todo lampeiro e a ler maravilhas em blogues internacionais e sai-me um bom filme de guerra,únicamente.É um bom filme no geral é verdade mas NADA ACRESCENTA DE NOVO ao género e nem ao cinema em geral.Na America e em Inglaterra é elevado aos píncaros não percebo porquê.Querem ver o melhor filme guerra alguma vez feito?.Pois é continua a ser "O Resgate do Soldado Ryan"que é a síntese de todos eles quer de antes quer depois dele.Dunkirk é bom filme,técnicamente é bom mas não há rasgo NARRATIVO QUE O ELEVE A OUTROS LADOS.
"Sempre as horas,as horas,as horas......"

User avatar
Cabeças
DVD Maníaco
DVD Maníaco
Posts: 6060
Joined: Tue Dec 26, 2000 9:58 pm
Location: Portugal

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by Cabeças » Fri Dec 15, 2017 4:38 am

Vivam,

Ando sempre um bocado atrasado relativamente aos filmes, de modo que só agora escrevo, pois vi o "Dunkirk" há 2 dias e tive tempo para pensar sobre ele.

Confesso que quando soube que o Chris Nolan ia fazer um filme de guerra, fiquei muito desiludido, pois é um realizador de que gosto muito e filmes de guerra... há milhares. Na altura lembro-me de ter pensado que preferia que se mantivesse na Ficção-Científica, pois para mm o Inception e o Interstellar são fabulosos, ou em filmes como o "The Prestige", de que também gostei imenso... ou abraçasse uma nova trilogia, como fez com o Batman. Para mim o filme dele que realmente não me tocou foi o "Insomnia", mas apenas o vi uma vez há 15 anos, está mais do que na altura de fazer um segundo visionamento. Mas quanto ao "Dunkirk"...

Estava realmente com muita expectativa acerca do filme. Sinceramente, posso dizer-vos que gostei muito. E acho que gostei ainda mais porque já há anos que me fartei um bocado de filmes de guerra e deste gostei francamente.

Para mim este não é um filme de guerra "normal", é um filme que é um bocado uma espécie de documentário que nos é apresentado com já foi referido em três contextos diferentes (terra, mar e ar) e que nos ajudam a seguir e compreender a história, ou pelo menos parte dela. Não acho também que seja um filme de "heróis", ou um filme onde haja um qualquer "alpha dog"... ou dois, como no "Platton"
O próprio piloto que é um autêntico herói é capturado no final e possivelmente executado.
E acho que este filme não pode ser comparado também ao "Saving Private Ryan" do Spielberg. Não porque seja melhor ou pior, mas apenas porque para mim não se podem comparar (ou não devem comparar-se) coisas incomparáveis. São abordagens, sensibilidades e modos de contar uma história completamente diferentes. A única coisa em comum é apenas um cenário de guerra.

Achei o "Dunkirk" fabuloso em termos de concepção estética. O filme tem imagens que ainda não me saíram da mente e que penso que vão permanecer muito tempo na minha memória. Aos 90 minutos, as imagens do avião com os motores desligados a planar ao longo da costa com as casas em plano de fundo é das coisas mais bonitas e tocantes que vi no Cinema até hoje. Acredito que estivesse nesse momento mesmo completamente "imerso" no filme, mas achei esse momento incrível em termos cinematográficos. Em termos técnicos, em termos de planos enquadramentos, de fotografia, de banda sonora, achei o filme fabuloso. Concordo que não há uma música que fique se calhar na memória, mas o filme tem a particularidade de na minha opinião ter a música a fazer parte integrante do filme de um modo como se calhar não tinha "sentido" até hoje, ajudando a construir o ambiente de um modo omnipresente. E penso que era esse o objectivo, mais do que fornecer uma melodia que "ficasse no ouvido".

Também penso que o facto de não nos lembrarmos se calhar de uma personagem ou duas que tivessem sido particularmente carismáticas, se calhar tal como se passa na música, é propositado. É que embora a música esteja sempre presente, tal como a maioria das personagens, o filme para mim versa sobretudo sobre desencanto. De pessoas que pensavam que se calhar eram heróis. Que estavam na maioria convencidas de que as coisas iam correr de modo muito diferente. E que, quando tudo começou a correr mal, nunca pensaram que houvesse tantas dificuldades na retirada.

O filme é sobretudo um filme um bocado de anti-heróis
(por exemplo os "miúdos" que estavam mesmo na guerra estavam-se completamente marimbando para ela e, só queriam sair dali da maneira que pudessem, mesmo desertando)
. O velhote do barco e o filho dele quando retiram o aviador da água...
percebe-se perfeitamente que ele está completamente destruído, e quer tudo menos voltar para lá. Um bocado como o miúdos, que só queriam sair de lá do modo que pudessem.
A música para mim é constante e um bocado "anónima", como são constantes os "anónimos", que são quem realmente faz a grande parte da guerra. A ideia dos "heróis" e dos grandes feitos heróicos, não desmerecendo quem os praticou cheio de ideais (segunda consta foi o caso de Churchill, que serviu na frente na Primeira Grande Guerra), é uma perfeita propaganda sobretudo utilizada pelos políticos gordos, que servem as grandes indústrias de armamento onde são por vezes até accionistas. A verdade da guerra é como está gravada nalguns Zippo's: "War is Hell". Tive oportunidade de ler Sven Hassel sobretudo na minha juventude, um dissidente alemão que foi incorporado nos tanques, numa companhia de blindados na frente alemã num batalhão disciplinar, que mais tarde escreveu alguns livros sobre isso, e a imagem que ele dá dos próprios alemães é que a nível dos soldados estava tudo mais do que farto, com um cansaço enorme e muita falta de condições. E também verdade que a guerra é um cenário ideal para que animais disfarçados de humanos possam impunemente praticar os maiores crimes, tanto a nível de soldados, como de oficiais. E de Chancelers, claro. Isto do lado alemão, mas acho que é um pouco assim em todo o lado, pois a barbárie e a falta de consciência são infelizmente transversais. As bombas atómicas sobre Hiroshima e Nagasaki para mim foram um dos maiores crimes feitos contra a Humanidade. A nossa própria guerra colonial, onde o meu Pai combateu (praticamente só o conheci quando tinha 5 anos) foi um desperdício enorme de vidas em vão.

Mas voltando ao filme, caramba! O filme é para mim um filme sobre a maior parte das pessoas que têm que travar uma guerra, que por qualquer razão se vêm envolvidos numa. A maior parte dessas pessoas passa anónima, embora a maior parte dos filmes de guerra tenha sempre geralmente os heróis de serviço e as melodias que ficam no ouvido, como a cavalgada das Valquírias, o cheiro a Napalm pela manhã, e todas essas coisas. Mas a maioria das pessoas quando se vê envolvida naquele inferno quer é passar despercebida e sair dali o mais depressa possível, pois percebe depressa a insanidade e a violência imbecil de tudo aquilo. A personificação do Mal no "outro" tem, ou devia ter, um efeito de espelho: os outros somos nós próprios.

O filme para mim é pois sobre os não-heróis na maioria. Os miúdos que vão geralmente para o combate, são comandados por alguns oficiais que até podem ser boas pessoas, mas que por causa da carreira e por que têm família têm que cumprir a obrigação deles, e por outros que são uns desequilibrados completos, sociopatas que aproveitam a guerra e posições de comando para poderem fazer e mandar fazer coisas "legalmente" e que, se porventura não fosse o contexto de guerra, seriam criminosos perigosos. Sempre achei que dos criminosos mais perigosos são aqueles que praticam crimes estando do lado da "Lei"... na tropa ou na polícia. Quando vejo imagens recentes como as que se passaram em Barcelona, de polícia de choque a arrastar pelo cabelo mulheres grávidas, e a dar bastonadas em velhos desarmados no chão (essas coisas também se passam cá como sabem)...bom, esse para mim é o tipo de criminoso que foi esperto para se alistar na polícia.

Apre, entusiasmo-me sempre. :-( Então resumindo, eu gostei muito do filme, e por acaso quero vê-lo novamente daqui a uns meses, quando puder comprar o digibook que vai sair cá.

Acho que como disse o "Dunkirk" é um filme atípico em termos de filmes de guerra, que se debruça sobretudo sobre os "derrotados", em termos físicos e psicológicos. Expõe perfeitamente a meu ver a futilidade e as condições inacreditáveis em que se põem miúdos num cenário daqueles. Os "vivas" que alguns passageiros lhes oferecem no final quando vão no comboio, se calhar na Alemanha passava-se na altura a mesma coisa. E tanto uns como outros para mim são indicadores de uma tristeza absoluta em termos humanos. É que aqueles miúdos andaram a matar outros miúdos iguais a eles. É de uma enorme falta de consciência em termos de sociedade e em termos políticos. Mas os maiores culpados são sempre para mim os políticos e os homens de "negócios". E dos cidadãos que não exercem os direitos de cidadania de um modo esclarecido, impedindo gente anormal de ascender politicamente a cargos onde faz regredir a Humanidade anos. Infelizmente, nada disto parece mudar com o tempo. Lembro-me sempre do vídeo dos Frankie Goes To Hollywood, da música "War", onde eles colocaram o governante americano e o russo num ringue a lutarem um contra o outro. Era mesmo assim que devia ser. O lugar dos miúdos é na escola, não na guerra.

Na minha opinião o Nolan fez mais um grande filme. Um exercicio estético e para mim muito intimista, absolutamente fabuloso, e um filme de "guerra" diferente e por isso para mim não comparável aos mesmos de sempre, que continuam no mesmo pedestal há anos.

Fico muito curioso relativamente ao que o Christopher Nolan escolherá para próximo projecto.
Cabeças
Image

technicolor
Entusiasta
Entusiasta
Posts: 235
Joined: Wed Mar 02, 2016 9:00 pm

Re: Dunkirk (2017) - Christopher Nolan

Post by technicolor » Fri Dec 15, 2017 8:23 am

Cabeças wrote:
Fri Dec 15, 2017 4:38 am
Vivam,

Ando sempre um bocado atrasado relativamente aos filmes, de modo que só agora escrevo, pois vi o "Dunkirk" há 2 dias e tive tempo para pensar sobre ele.

Confesso que quando soube que o Chris Nolan ia fazer um filme de guerra, fiquei muito desiludido, pois é um realizador de que gosto muito e filmes de guerra... há milhares. Na altura lembro-me de ter pensado que preferia que se mantivesse na Ficção-Científica, pois para mm o Inception e o Interstellar são fabulosos, ou em filmes como o "The Prestige", de que também gostei imenso... ou abraçasse uma nova trilogia, como fez com o Batman. Para mim o filme dele que realmente não me tocou foi o "Insomnia", mas apenas o vi uma vez há 15 anos, está mais do que na altura de fazer um segundo visionamento. Mas quanto ao "Dunkirk"...

Estava realmente com muita expectativa acerca do filme. Sinceramente, posso dizer-vos que gostei muito. E acho que gostei ainda mais porque já há anos que me fartei um bocado de filmes de guerra e deste gostei francamente.

Para mim este não é um filme de guerra "normal", é um filme que é um bocado uma espécie de documentário que nos é apresentado com já foi referido em três contextos diferentes (terra, mar e ar) e que nos ajudam a seguir e compreender a história, ou pelo menos parte dela. Não acho também que seja um filme de "heróis", ou um filme onde haja um qualquer "alpha dog"... ou dois, como no "Platton"
O próprio piloto que é um autêntico herói é capturado no final e possivelmente executado.
E acho que este filme não pode ser comparado também ao "Saving Private Ryan" do Spielberg. Não porque seja melhor ou pior, mas apenas porque para mim não se podem comparar (ou não devem comparar-se) coisas incomparáveis. São abordagens, sensibilidades e modos de contar uma história completamente diferentes. A única coisa em comum é apenas um cenário de guerra.

Achei o "Dunkirk" fabuloso em termos de concepção estética. O filme tem imagens que ainda não me saíram da mente e que penso que vão permanecer muito tempo na minha memória. Aos 90 minutos, as imagens do avião com os motores desligados a planar ao longo da costa com as casas em plano de fundo é das coisas mais bonitas e tocantes que vi no Cinema até hoje. Acredito que estivesse nesse momento mesmo completamente "imerso" no filme, mas achei esse momento incrível em termos cinematográficos. Em termos técnicos, em termos de planos enquadramentos, de fotografia, de banda sonora, achei o filme fabuloso. Concordo que não há uma música que fique se calhar na memória, mas o filme tem a particularidade de na minha opinião ter a música a fazer parte integrante do filme de um modo como se calhar não tinha "sentido" até hoje, ajudando a construir o ambiente de um modo omnipresente. E penso que era esse o objectivo, mais do que fornecer uma melodia que "ficasse no ouvido".

Também penso que o facto de não nos lembrarmos se calhar de uma personagem ou duas que tivessem sido particularmente carismáticas, se calhar tal como se passa na música, é propositado. É que embora a música esteja sempre presente, tal como a maioria das personagens, o filme para mim versa sobretudo sobre desencanto. De pessoas que pensavam que se calhar eram heróis. Que estavam na maioria convencidas de que as coisas iam correr de modo muito diferente. E que, quando tudo começou a correr mal, nunca pensaram que houvesse tantas dificuldades na retirada.

O filme é sobretudo um filme um bocado de anti-heróis
(por exemplo os "miúdos" que estavam mesmo na guerra estavam-se completamente marimbando para ela e, só queriam sair dali da maneira que pudessem, mesmo desertando)
. O velhote do barco e o filho dele quando retiram o aviador da água...
percebe-se perfeitamente que ele está completamente destruído, e quer tudo menos voltar para lá. Um bocado como o miúdos, que só queriam sair de lá do modo que pudessem.
A música para mim é constante e um bocado "anónima", como são constantes os "anónimos", que são quem realmente faz a grande parte da guerra. A ideia dos "heróis" e dos grandes feitos heróicos, não desmerecendo quem os praticou cheio de ideais (segunda consta foi o caso de Churchill, que serviu na frente na Primeira Grande Guerra), é uma perfeita propaganda sobretudo utilizada pelos políticos gordos, que servem as grandes indústrias de armamento onde são por vezes até accionistas. A verdade da guerra é como está gravada nalguns Zippo's: "War is Hell". Tive oportunidade de ler Sven Hassel sobretudo na minha juventude, um dissidente alemão que foi incorporado nos tanques, numa companhia de blindados na frente alemã num batalhão disciplinar, que mais tarde escreveu alguns livros sobre isso, e a imagem que ele dá dos próprios alemães é que a nível dos soldados estava tudo mais do que farto, com um cansaço enorme e muita falta de condições. E também verdade que a guerra é um cenário ideal para que animais disfarçados de humanos possam impunemente praticar os maiores crimes, tanto a nível de soldados, como de oficiais. E de Chancelers, claro. Isto do lado alemão, mas acho que é um pouco assim em todo o lado, pois a barbárie e a falta de consciência são infelizmente transversais. As bombas atómicas sobre Hiroshima e Nagasaki para mim foram um dos maiores crimes feitos contra a Humanidade. A nossa própria guerra colonial, onde o meu Pai combateu (praticamente só o conheci quando tinha 5 anos) foi um desperdício enorme de vidas em vão.

Mas voltando ao filme, caramba! O filme é para mim um filme sobre a maior parte das pessoas que têm que travar uma guerra, que por qualquer razão se vêm envolvidos numa. A maior parte dessas pessoas passa anónima, embora a maior parte dos filmes de guerra tenha sempre geralmente os heróis de serviço e as melodias que ficam no ouvido, como a cavalgada das Valquírias, o cheiro a Napalm pela manhã, e todas essas coisas. Mas a maioria das pessoas quando se vê envolvida naquele inferno quer é passar despercebida e sair dali o mais depressa possível, pois percebe depressa a insanidade e a violência imbecil de tudo aquilo. A personificação do Mal no "outro" tem, ou devia ter, um efeito de espelho: os outros somos nós próprios.

O filme para mim é pois sobre os não-heróis na maioria. Os miúdos que vão geralmente para o combate, são comandados por alguns oficiais que até podem ser boas pessoas, mas que por causa da carreira e por que têm família têm que cumprir a obrigação deles, e por outros que são uns desequilibrados completos, sociopatas que aproveitam a guerra e posições de comando para poderem fazer e mandar fazer coisas "legalmente" e que, se porventura não fosse o contexto de guerra, seriam criminosos perigosos. Sempre achei que dos criminosos mais perigosos são aqueles que praticam crimes estando do lado da "Lei"... na tropa ou na polícia. Quando vejo imagens recentes como as que se passaram em Barcelona, de polícia de choque a arrastar pelo cabelo mulheres grávidas, e a dar bastonadas em velhos desarmados no chão (essas coisas também se passam cá como sabem)...bom, esse para mim é o tipo de criminoso que foi esperto para se alistar na polícia.

Apre, entusiasmo-me sempre. :-( Então resumindo, eu gostei muito do filme, e por acaso quero vê-lo novamente daqui a uns meses, quando puder comprar o digibook que vai sair cá.

Acho que como disse o "Dunkirk" é um filme atípico em termos de filmes de guerra, que se debruça sobretudo sobre os "derrotados", em termos físicos e psicológicos. Expõe perfeitamente a meu ver a futilidade e as condições inacreditáveis em que se põem miúdos num cenário daqueles. Os "vivas" que alguns passageiros lhes oferecem no final quando vão no comboio, se calhar na Alemanha passava-se na altura a mesma coisa. E tanto uns como outros para mim são indicadores de uma tristeza absoluta em termos humanos. É que aqueles miúdos andaram a matar outros miúdos iguais a eles. É de uma enorme falta de consciência em termos de sociedade e em termos políticos. Mas os maiores culpados são sempre para mim os políticos e os homens de "negócios". E dos cidadãos que não exercem os direitos de cidadania de um modo esclarecido, impedindo gente anormal de ascender politicamente a cargos onde faz regredir a Humanidade anos. Infelizmente, nada disto parece mudar com o tempo. Lembro-me sempre do vídeo dos Frankie Goes To Hollywood, da música "War", onde eles colocaram o governante americano e o russo num ringue a lutarem um contra o outro. Era mesmo assim que devia ser. O lugar dos miúdos é na escola, não na guerra.

Na minha opinião o Nolan fez mais um grande filme. Um exercicio estético e para mim muito intimista, absolutamente fabuloso, e um filme de "guerra" diferente e por isso para mim não comparável aos mesmos de sempre, que continuam no mesmo pedestal há anos.

Fico muito curioso relativamente ao que o Christopher Nolan escolherá para próximo projecto.
Excelente! Exactamente o comentário que eu gostaria de ter tido a capacidade, a paciência e a "coragem" de ter escrito e não fui capaz. yes-)

Dunkirk não é apenas mais uma superprodução de guerra, é uma "visão pessoal" de Nolan (com um forte pendor antibelicista) sobre a coragem e o medo dos homens anónimos, não a guerra dos grandes, generais e políticos. Um magnífico "ensaio cinematográfico" sobre a tragédia de Dunquerque em 1940. Poderá até ter alguma imprecisões, que eu encaro mais como liberdades criativas de autor mas que são perfeitamente compreensíveis tal como as de Coppola no seu genial Apocalypse Now.

Post Reply